terça-feira, 2 de janeiro de 2007

o poema começou sereno.
neblinado.
era pra ser prosa.
prosa, que hora seja.
que hora chega.
há muita presença por aqui.
procurei uma onomatopéia
pra utilizar aqui.
nem sei qual foi a data.
aquela noite
notei-já sabia que eras, eras...
há muita presença em
quase seduzo.
ás vezes aposto em
versos bucólicos
em interior de poema.

às vezes peno em fazer
um poema que esconderija
frases de poucas importâncias.
há, uma frase raridade que veio de a noite
foi sem dizer ao menos, até breve.
Pedro Pan, 2007

folia de reis em photographias.

16 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

neblinado seu poema? assim não o vejo mas sinto-o intenso de brevidades e longa vida de verdades, quero paz e poesia, quero amor e cantoria, quero noite e dia, quero ano novo de rimas doces...
beijossssssssssss

ariane disse...

já estava com saudade de seus versos ora neblinados, fresquinhos como a primeira garoa, ora docemente iluminados com cara de primavera que chega de mansinho...

sou fã de seus leves e soltos
versos-brisa.

beijos meus

Anônimo disse...

Vim remando por tuas quimeras
pra ler seus poemas ou suas prosas
seja como for quero ver tuas falas...
beijos

Octávio Roggiero Neto disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Octávio Roggiero Neto disse...

quantos poemas nos estalaram de boas prosas, meu poetíssimo!
muitos dos meus deixei a prosa ser livre nos versos, acostumei mal, mas quero agora me desprosear e exercer mais a Poesia sugestiva.
acho que stou me explicando sobremaneira, aí pouco deixo pra que o poeta-leitor participe.
ah! seo Pedro, se achar a frase que se escapoliu le aviso, juro que le aviso!
amo as palavras tuas!

Maria Moura disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Maria Moura disse...

obrigada pela visita, Pedro.

adorei este cantinho, em que pressinto a tua silhoueta no meio das palavras/esconderijos que usas para gritar ao mundo as tuas profecias...

visitemo-nos, pois.

será sempre uma honra receber tuas impressões em meu meMMorial
(http://memmorial.blogspot.com).
.
um beijo.
.
e um 2007 muito produtivo para ti.

Múcio Góes disse...

há frases que fogem, e poemas que magnificam. este, sim, foi um.


Bom Pedro I.

[]´s

Navegando com o Álvaro Míchkim disse...

P. meu jovem poeta, q 2007 espere por nós, o ingrediente principal. Folias farei em dia de Rei, 20, 30, 40, só quem agüenta chega aos 50, vegetariando...
Obrigado. Paz e Bem! A&.

paulo vigu disse...

Entro aqui neblinando em chuva de janeiro. Nas águas dessas férias, as coisas "esconderijam" - Salve poeta Pan. Lá vamos nós. Riodaqui sempre aí + abraço Paulo Vigu

Saramar disse...

Não seja modesto, menino.
Esta é uma luta que você não luta. Suas palavras parecem sempre dóceis à sua vontade.

beijos

ALF O Extasiado disse...

com a metalingüística tão característica.
Bela poema.
Como sempre né garoto hehe

abração

ps: tem texto no outro blog.
:)

Mago disse...

Vai ver ele ainda volte, por isso foi sem idzer nada. Nebliado só se for assim uma bluma tranparente, onde tudo mostra até mesmo o que parece ausente. Um grande baraço do Mago e feliz 2007!

miixa disse...

Olá,
Naty cancelou o blog, não sei o motivo que a levou a desistir,
Mais pelas palavras as suas...
bjos

Juliana Pestana disse...

Mas palavras sem importância não casam com seus poemas... não os seus que são sempre pérolas aos nossos olhos.

belo poema!
;-)

Pedro Pan disse...

, anônimda de aqui:
Raquel de http://tendadaraquel.blogspot.com/

problemas de transição blogger, desculpa.