domingo, 5 de novembro de 2006

já fazia horas altas
e
umas algumas vozes
dançavam por a
rua, inda molhada.
o feriado, bem, já
vinha aconchegando.
o horário se veraneia
ao cair de a meia noite
, digo,
já estão uma...
não sei + nem -
sob aquela história
de amores.
nem sei que horário
o sol aurora por o
horizonte.
que quando chega a
tardinha?
estes dias as nuvens
nos molham
até sem notar.
Pedro Pan, 11/06

19 comentários:

Múcio Góes disse...

breve "photographia" de uma noite com chuva dentro: poesia não tem feriado.

Bom Pedro I!

[]´s

Paulo Vigu disse...

Horário de verão virando o dia lá fora. Veio caindo com a meia-noite em a chuva, veio quando o verso do poeta Pan diz: "o sol aurora por o horizonte". Riodaqui/ []`s aí/Paulo Vigu

Octávio Roggiero Neto disse...

Permita-me transcrever um poema de meu pai, o crença, pois expressa algo que gostaria de te dizer: "à noite, amigo, quando despertarem os últimos poetas e as aves solitárias me conduzirem para além dos bares, eu tomerei de teu cálice a solidão dos deuses e juntos brindaremos ao parto da paz universal!"
Té mais ler, Pedro!

Lelinha disse...

Senti até mesmo um cheiro daquele orvalho manso molhando a terra.

Cheiro bom!

Bom te ler aqui, muito bom!

Beijo.

ga disse...

Por aqui sempre boas palavras.

E.T.: estou aguardando seus poemas para o projeto do ônibus.

DIOVVANI disse...

GA É DIOVVANI.

Leandro Jardim disse...

sei ler isso a esmo e indo
seu lirismo é mesmo lindo

Claudio Eugenio Luz disse...

Ah, meu caro, seus poemas soam como um feriado prolongado.

hábraços

朝川栄一 [Asakawa Eiichi] disse...

... é bom de ler em voz alta e sentir as sonoridades, vacilantes.
"digo, ja estão uma... não sei +"
ou "o sol aurora por o horizonte"
bom mesmo.

eduardo disse...

Como sempre um belo poema.

Márcia(clarinha) disse...

por aqui as horas somaram outras tantas que fizeram domingo virar segunda sonolenta...de sol que arde...
lindo dia querido
beijossssssssssssss

Natika disse...

Não sei como cheguei, mas já que estou, que tal um elogio?!

Adorei sua maneira de conduzir as palavras...

Voltarei assim que possível!!

:)

bruna maria disse...

Há tanto mais em volta, a ser notado, que acho que o molhar das nuvens realmente pode passar despercebido. Bonito poema!
Um beijo!

Lubi disse...

Tá molhando aqui. E tanto.
Saudade.
Beijo.

Luzzsh disse...

Oi Pedro,

Bom da chuva é que, além de molhar, refresca, lava e leva.

Beijos...

ALF O Extasiado disse...

Perfeito.

Lindo.

;)

Cristiano Contreiras disse...

ah, lirismo na contemplação do dia!

Sara disse...

Tem tantas coisas que acontecem sem que a gente note...é aí que está o glamour de viver.

bjs

Bela Lachter disse...

que sutil!
Me lembrei de um dia bem chuvoso, daqueles de parecer noite aqui no rio e eu dirigindo pela lagoa...
Foi um dos dias mais bonitos que eu já vi... tudo parecia em câmera lenta...

beijos