quinta-feira, 20 de abril de 2006

,pois, então
aquela photographia
reverberava,
fica o dito pelo não visto
palavras vão compor o silêncio
( ) dentre
os parênteses não
se ouvia nada.
mudo.
até que o estômago roncou
...

6 comentários:

bell disse...

me deixe ficar dentro desses parênteses, por favor?

Clarice disse...

tinha um grilo? sempre pode ter um grilo por perto. Bjs Pan, Poeta grilado

Priscila disse...

e não é q hj eu pensei?! por onde anda aquele senhor e suas amoras?
dentre parênteses e bolhas, não se ouve nada...

Janaína disse...

Pedro,
faltou falar da minha paixão pela fotografia... tenho várias aqui, todas dizem algo, nem que seja um sussuro.
adoro estar aqui...

clarice disse...

tão lindo o que escreveste lá que voltei aqui para deixar um carinho.

Claudio Eugenio Luz disse...

Com toda certeza, alguma coisa, lá fundo, se quebrou. Belo poema.Brinca com as palavras com maestria.

hábraços

claudio