terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

tenho receios que
meus rascunhos
se virem contra mim.
cato um bem-me-quer
(mal-me-quer)
em o caminhar
por isso às vozes devo
passarinhar & borboletar
quando o azul
me alucina.

10 comentários:

eduardo disse...

Tenho muito medo do escrevo volte contra mim...
http://dudu.oliva.blog.uol.com.br

Valéria disse...

ô moço
suas palavras avoam
elas não se voltarão contra você enquanto elas forem você
um beijo
...
Valéria

Rodrigo Oliveira disse...

se as gritar garanto que não irão se voltar contra vc...mt obrigado por ter visitado o Manuscritos...já vou colocar um link teu lá...e continue visitando pq sempre estarei aqui...Abraços

Claudio Eugenio Luz disse...

Meu caro, sem medo nada feito. Como você disse muito bem, vamos continuar.
.
hábraços
.
claudio

bell disse...

conheço teu medo,
tenho o mesmo...acredites...
é sempre tão pertubador...

bjs*

Paulo Silva disse...

Não há que ter medo das palavras .
Elas nunca se voltarão contr vc,
quando são escritas com o coração.
Bom fim de semana.

Juliana disse...

Olá, tudo bem? Gostei muito dos seus poemas.
Gostaria de te convidar para conhecer o meu blog tb: http://julianasalles.blogspot.com

Passarinho disse...

Bem te quero Pan! ;)

Lucimar Justino disse...

Pan,

grato pela passagem no MicroPoema.

Penso que quem escreve tem sim sua responsabilidade, mas se escrevemos é porque desafiamos esse medo e soltamos nosso grito.

Um abraço!

Clarice disse...

não receies medos que fazem caminhar pois vais catando estas belezas em cores e flores, sempre com asas e vida.
Abraços