quarta-feira, 28 de abril de 2010


hoje já enquanto
fui-me a dormir
algo relogiava em
tais tiques & taques
e a minha imagem (ação)
é tamanha obsoleta.
pra alguns
&
nenhures.
estou, testando melhorias
para a letra minha.
já a minha poesia,
sai toda esculhambada.
Pedro Paulo Pan, Outono de 2010

eu perdia um dia
50 rurais.
em uma proposta
,digo,
aposta!
(apostilas quem diria)
não deveria eu, apostilar nada.
,pois,
perco até o caminho de casa.
Pedro Paulo Pan, Outono de 2010

6 comentários:

Pedro Paulo Pan disse...

"Depois de percorrer um certo caminho, ninguém me faz olhar para traz, ou andar de fasto."
Guimarães Rosa

Kanauã Kaluanã disse...

Pedro,

A poesia que sai "esculhambada" é a mais bela pedra bruta que há.
Que nos seus "melhoramentos", os rabiscos possam prevalecer, como ramos onde a folha branca se orefece a escrever.

Bons passos no bom caminho perido.

Beijos.
.
.
.
Katyuscia

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Testar melhorarias, para uma nova caligrafia, é sempre bem-vinda. Dessa forma os sentimentos são renovados.

Maravilhoso começo de semana, querido amigo.

Rebeca

-

Mary disse...

"perco até o caminho de casa" !!!

adorei! como tudo aqui... ;)

{minha poesia tão calmaria que estou precisando de um furacão! :P}


beijos!

Suhelen disse...

deu vontade de sonhar caminhando em poesias...

abração, querido!
sempre tão bom te ter em minha prosa ^^

Luzzsh disse...

Esculhambada?
que nada!!!
Sai certinha, dentro da sua fo[ô]rma. ;)

Beijos.