domingo, 11 de maio de 2008

de as sinceras amizades
certa vez, tive um amigo.
passou-me a perna
logo de cara lavada.
(ou mal lavada)
levou-me tostão furado, tostões furados
e aluguns contos de réis, miréis.
nunca mais olhou-me em
minha cara, em meu olhar.
(desviava-se)
inda bem que o sem vergonha
criou vergonha em a cara.
pelo menos creio eu.
Pedro Pan, 2008.

posso até quem sábado
não entender
teu cetim que roça
minha pele.
enquanto adormeço eu.
& enquanto velas meu sonhar.
hoje hei de decifrar
a msg que enviaste a meu cel.
assim responderei.
só sei que meu sentir
bate mais forte
à tua porta.
Pedro Pan, 2008

hoje foi bem ver
o pombo
riscar céu de
a matina.
fazia onomatópeias
em meu ouvir.
Pedro Pan, 2008


p.s.: Márcia Clarinha agradecido pela visita.
Carlos e Camilinham, agradeço a visita, mas não

consigo os visitar, liberem seus perfis, para que eu
possa visitar e comentar.
Ah! Já que estou a agradecer, agradeço a todos

que passam em quimeras. Inté a próxima parada do trem.
Pan

17 comentários:

Pedro Pan disse...

"Apanhava com o olhar cada sílaba do horizonte"
João Guimarães Rosa

Dora disse...

Meu Pedro Guimarães Rosa...É tão gostoso seu canto rosiano! Cada um dos cantares aí me enleva. O primeiro, do amigo, que é quase um des-amigo; o segundo, a mensagem ainda indecifrada do celular e o terceiro, do pombo arrulhando em "onomatopéias" dele...
Eu curto seu jeito e leio em voz alta o post, porque é música também "em meu ouvir".
Beijos, flores, pássaros, cantos...tudo prá você.
Dora

Vieira Calado disse...

Obrigado pela visita e palavras.
Um abraço.

dudv disse...

Gimarães R é muito inspirador...
belo poema!!

* hemisfério norte disse...

o
nu
....mato
....pé
..............ias

num
sábado

bjs
a.

Múcio L Góes disse...

vergonha é coisa cara, Pedrón.

brigado pelas palavras no meu post, Deus noa alumie, sempre.

[]´s

Valéria disse...

gosto grandão do que vc escreve, vc sabe, já te falei. especialmente estes 3 últimos que tanto me lembraram os da época que comecei a "te" ler...
parabéns pelos 3 anos e obrigada por suas palavras lá... me fizeram sorrir.
beijo

Nadja Reis disse...

Obrigada pela visita! =)

Anônimo disse...

pedropoetinhaquerido, sempre passo aqui pra lhe ver, estou bem e me aprumando pra voltar a brincar,

dias lindos
beijos
Márcia(clarinha)

Saramar disse...

Você está cada vez mais minuciosamente delicado. Você e suas palavras azuis.

beijos

Darlan disse...

Sua poesia é tão acolhedora. Parece contada em copa-cozinha depois de duas xícaras de café em manhãs de sol frio.

Abraços!

Rubens da Cunha disse...

excelente como sempre tua liguagem.
linkei no meu blog pra não esquecer de vir sempre aqui.

abraçois

Suhelen disse...

certas amizades nos [re]velam até em sonhos...
e quem sábado num domingo as onomatopéias que tu ouves deixem o céu cheio de sinestesia!

abração pra ti, seu moço!

rio daqui disse...

Volto pra casa de Pedro Pan, depois de temporada de claves de sons. Sua versagem faz falta. Saudade - Riodaqui - Paulo Viggu

Bárbara (B.) disse...

Seu estilo de escrever me parece tão singular. Isso é difícil em dias tão repetitivos.

Muito bom, moço.

Beijo meu.

Carol Rodrigues disse...

Ja tive um amigo q me traiu e ja tive que decifrar mensagens de celular...
Só não sei escrever como vc escreve rsrss

bjocas

Imcompreendida disse...

"só sei que meu sentir
bate mais forte
à tua porta."

Simplesmente lindo... Daria uma bela música romântica...