segunda-feira, 25 de junho de 2007

minha poesia é arredia.
que meu poema escorre sol-
to.
sem amarras.
leve.
em que o vento ou vendaval
toca suas palavras
que brisa assim.
creio eu, perdi a estação.
vou é procurar umas palavras.
Pedro Pan, 2007
observo:
tem 1 sorriso ao
me aconselhar.
absorto:
absorvo o sorriso
que alumia.
face assim...
encanto o relógio
dizia: oras!
Pedro Pan, 2007
há um post dedo de prosa abaixo... 

17 comentários:

Claudia Perotti disse...

Que surpresa boa foram as tuas letras! Adorei-as todas!

Agradeço-te a visita e tb voltarei!

Beijinhossss

clarice ge disse...

eu ando a perder palavras, andas tu as encontrando?
oras pois que sorrisos te alumiem sempre.
abraço Pan

diovvani mendonça disse...

Você pode até perder até a estação,
mas nunca a sintonia com os "trem bão" Abraço.

Clóvis disse...

Poesia livre, levou-me...






Abraço pra ti, poeta.

Márcia(clarinha) disse...

enquanto sorrisos observam alumiando face sinal de vida em cor e alegria, poesia escorre solta enchendo coração de palavras boas...
carinho meu procê poetinha
beijosssssss

Antônio Alves disse...

O concretismo de soslaio nos primeiros versos foi interessante. A transformação de brisa em verbo também. Há braços!


Antônio Alves
No Passeio Público
Postagens às quartas e domingos

ALF O Extasiado disse...

O teu poema se arredia em nossas entranhas(ui)
hehe
Crava em nós uma mensagem belíssima.

abraços
:)

Nanna. disse...

Oi queridinho...
Vim te avisar que indiquei o seu blog no concurso cultural "As 7 maravilhas da blogosfera". Passa no meu blog pra conferir, tá?

Monte de beijinhos!

Nanna. disse...

Oi queridinho...
Vim te avisar que indiquei o seu blog no concurso cultural "As 7 maravilhas da blogosfera". Passa no meu blog pra conferir, tá?

Monte de beijinhos!

paulo vigu disse...

No vento
Meio por fora
Meio lento
Saí do meio do rio
Caí no meio do mar
~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Fechei pra balanço
Renovei águas~~~~
As águas que vem de dentro.

Riodaqui/abraço meu/Paulo Vigu

alex pinheiro disse...

Olá Pedro Pan, num primeiro momento de por agora vi quimeras sensual,,, depois solto, relaxado, leve e, por último, debochado... Boas energias por essas bandas fluem,,, Estou indo leve, sem amarras... procurar palavras também...

Abraços e flutuantes invenções!

Élcio disse...

Gostei do seu estilo, da maneira solta p escrever...Mto bom mesmo.
Voltarei outras vezes.

É isso ai.
Bom fds.

Múcio Góes disse...

o olho do vendaval desvenda versos, descortina a menina, abre o céu das minas pra essa poesia doce, como se ser doce fosse.

o bom Pedro.

[]´s

Saramar disse...

Oi Pan.
Eu o indiquei como uma das sete maravilhas da blogosfera, lá no Janelas (http://abrindojanelas.blogspot.com).

beijos
P.S. Depois volto para ler e comentar.

Darlan disse...

Que foda!! A única coisa que tenho a dizer é esse vocábulo chulo. Adoro vir aqui!

Mary disse...

Coisa boa se perder num sorriso...

Lindo demais!

Beijos.

p.s: Quero ver quando é que você aceita este comentário... hohoho :P

Octávio Roggiero Neto disse...

veio uma palavra de tua brisa, um sorriso de tua palavra. ternura de fazer inveja aos relógios, sempre tão insensíveis...