sexta-feira, 6 de outubro de 2006

mesura de poema


feche os olhos.
e o poema veio
de leve
leve
livre.
apologias para poema
que se foi,
pedro pan, 2004

17 comentários:

diovvani disse...

pousou aqui mesmo né?

E.T.: vamos ver se estreamos o novo lay-out por lá, ok?

Michel Seadini disse...

E tu deve estar cheio de mulher no teu pé! Quem resiste a um bom poeta?

Leandro Jardim disse...

mucho bueno

Navegando com o Álvaro Míchkim disse...

PPan, qdo ele vem tem q laçar na hora sen'~ao ele escapa mesmo. O bom negócio é ter recurso p/anotá-lo, senão, se foi...
Abraços. Obrigado pela presença!

Mauricio disse...

Diga Pedro Pan!

Muito legal, parabéns.

Paulo Vigu disse...

A poesia de Pedro Pan me soa leve. Lua rima quando o poeta escreve. - Riodaqui/PauloVigu

Paulo Vigu disse...

A poesia de Pedro Pan me soa leve. Lua rima quando o poeta escreve. - Riodaqui/PauloVigu

Paulo Vigu disse...

A poesia de Pedro Pan me soa leve. Lua rima quando o poeta escreve. - Riodaqui/PauloVigu

Paulo Vigu disse...

A poesia de Pedro Pan me soa leve. Lua rima quando o poeta escreve. - Riodaqui/PauloVigu

Paulo Vigu disse...

A poesia de Pedro Pan me soa leve. Lua rima quando o poeta escreve. - Riodaqui/PauloVigu

marcia xavier disse...

No seu caso, meu caro, o poema vem leve pois já está!
Bjos
:)

eduardo disse...

Lindo!!!
Sei que é um comtário genérico, mas queria lhe dizer que lio os seus poemas sempre!!!

Loba disse...

O poema só chega leve para quem é poesia - e nem precisa de apologias! É o caso de quem escreve assim.
Beijãozão

Keila Sgobi disse...

voou...
feito vento que leva as
penas
em boa hora

Múcio Góes disse...

no vento que veio voou, poema janela à fora, saudade, já nela, dentro.


[]´s

Juliana pestana disse...

Ah, como ele vem... rss

Obrigada pelo comentário delicioso no meu "sorrisos"!!

Bjos meus.

Claudio Eugenio Luz disse...

Percebo que já vem de longe, não?

hábraços