quinta-feira, 26 de outubro de 2006

farfalhando noite (à fora)
a página.
"nada especial".
a página insólita carece.
dar voz ao poema
vez & luz
dar o azul
, o azul ontem. brilham pontos
(pontos, vírgulas, reticências)
em os ares uma melodia
acena aos ouvidos.
histórias, ouvidos, olhos, aquarelas.
em a medida de o possível
a luz prevalece pensamento
ligeiras asas por nossas cabeças.
quando não ouvir, é
um tempo veloz. a noite prevê
o destino.
o alvo é dizer o necessário
e a hora exacta. exacta
como
esquecer não é o inevitável.
pedro pan, 2005

16 comentários:

Bela Lachter disse...

"esquecer não é o inevitável..."
hummm meditarei sobre isso...
beijos

diovvani disse...

Sempre gosto, do que acena suas letras aos meus olhos. MontanhosoAbraço.

clarice disse...

a noite venta
inevitáveis pensares
coloridos voares
em asas de borboletas

abraço meu

Ana Paula Russi disse...

Poeta... tens na ponta da caneta atmosfera interna de minha mente...
Um abraço franco
AP

veldrane_sucubus disse...

"esquecer não é o inevitável"

uso palavras parecidas a essas o tempo todo...

.

paulo vigu disse...

ora dando voz, ora dando luz, os poemas de Pan chegam em boa hora. Riodaqui leva abraço ao poeta. Paulo Vigu
p.s. - deixe comments lá no texto infância, pois, creio eu, a infância em Minas deve ser mais ou menos isso.

Anônimo disse...

Hummm...

Esquecer: encaixotar na memória, envenenar o coração.

É, talvez tenha razão, ESQUECER NÃO É INEVITÁVEL...

O inevitável está em nossos olhos.

Octávio Roggiero Neto disse...

As imagens são lançadas em flashes de reminiscências, um fluxo de consciência e inconsciência. O real e o quimérico em um mesmo corpo. A poesia fazendo do escreviver algo inevitável.

eduardo disse...

Muito bom, como sempre...

Leandro Jardim disse...

hmmm bom isso, bem bom, como um sino!

ALF O Extasiado disse...

eita, que lindo meu amigo. Uma melodia acena aos ouvidos. que suavidade, que beleza...

Uma paz total se encontra por aqui

abraços
;)

Múcio Góes disse...

esquecer, há que ser?

Bom Pedro I.

[]´s

Carol disse...

Pedro, se me recordo bem, vc é de Bh... Bom, eu sou produtora cultural e jornalista e tenho feito mensalmente sarau de poesia num Café. Gostaria de trocar umas idéias com vc... Já fiz em homenagem a Quintana e C.D.A. Pensei em fazer com poetas jovens e contemporâneos como vc... Aqueles q escrevem em blogs... Que tal?
Me escreva um mail com idéias. Bjos.

Valéria disse...

não tão excta assim...bem inexata eu sou...diria...
um beijo

Márcia(clarinha) disse...

exata?
nem o azul, pois deles tiramos nuances de sonho e vida...
feliz semana querido
beijosssssssss

Claudio Eugenio Luz disse...

Na hora exata nossas palavras tornam-se a medida incerta dos nossos sentimentos. Grande, meu caro.

hábraços