quarta-feira, 2 de agosto de 2006

que posso 
eu
fazer? se
poema
não desentorta
,nem a poder
de reza braba...


bobo de a corte

14 comentários:

Nanna disse...

[caça-palavras difícil!!]

Beijinhos, dear...
:)

douglas D. disse...

aporta.

Márcia(clarinha) disse...

Não [des]entorte, poeme!
beijossssssssssss

Luzzsh disse...

Tem poema que é perfeito assim, torto; se o endireitassem , é certeza que iria ficar tão bom quanto bula de remédio, rs....Beijos.

clarice disse...

aceita a linha que brota e segue a reta, quer dizer, a torta.
carinhos pra tu

Claudio Eugenio Luz disse...

Deixar estar, mesmo assim, deixa como está.

hábraços, para as gerais

Clauky Saba disse...

hahahaha
antes poema tomado do que domado. prefiro ele louco, sem rédeas e sem linhas retas... (ou não)

poetabraços

clauky

camila disse...

reto as vezes é chato...;)

Leandro Jardim disse...

voltei a net e já estou aqui a me agraciar com tuas palavras!

Valéria disse...

segue o poema...atrás do risco...
beijo di saudade

Tanara disse...

Bah!
Tenta o poder da reza mansa...
.
bejon

Mary disse...

Só contemple-o...

Beijos!

paulo vigu disse...

Pan - Faça uma torta de poesia, mas nunca o desentorte. " O seu amor ame-o e deixe-o ser o que ele é" - abraço poético - SaudaçãoRiodaqui torto - PAulo h vIGU

bruna maria disse...

Entortar-se juntamente com o poema, é a minha dica! ;) Um beijo!