domingo, 16 de julho de 2006

poema por encanto ou por muita tarde
meu canto estava por demais
sem gracejos. sem melindres. sem mesuras.
nem sei gracejar, já, como outrora.
ora, ora
isso desaprende também. deve até fazer
um bem. é. pode ser uma desculpa
esfarrapada - plausível.
quero viver o vento embalançar meu 
diariamente ...
e por enquanto ficar com as solas
presas à terra firmeza.
e por enquanto correr de lá pra
até mais logo... ao ver o agora
entardecendo uma esquina mais diante
, de nossos olhares. atenção.
nem me atino. posso tentar outros
cantos por exemplo. por obséquio.
por pouco tempo. por muita tarde ...

12 comentários:

Caroool disse...

oo fico muito bom.realmente muito bom.^^

GardenHead disse...

Lindo, rapaz, muito lindo!
Como sempre...

Moacir Caetano disse...

paisagem...

paulo vigu disse...

O vento embalança o diariamente e o poeta estoura a cerca para tentar outros cantos: pouco tempo, muita tarde, tudo, todos , nada: eis o encanto.

Clarice disse...

viver é movimento constante
muda o momento e cresce o instante.
Carinhos meus

Keila Sgobi disse...

pareceu-me
desleixo
desen-
-canto

Bill disse...

Salve salve...

Belo poema... gostei mesmo.
"e por enquanto correr de lá pra
até mais logo... ao ver o agora
entardecendo uma esquina mais diante
, de nossos olhares."

Perfeito...

Otima semana
[s]s

ps: o sistema de spam do prahoje.com.br pega seu e-mail como spam sempre... Por isso demora um pouco aparecer estou resolvendo isso.

Cristiano Contreiras disse...

Domingo sempre me intriga e estressa!

Tanara disse...

balançar, voar, poemar...
são as reticências na vida. Um delícia esse domingo...
.
boa semana!
.
beijos :***

Rayanne disse...

Porque tem dia, a poesia
Vive da gente, não se anuncia
Foge da boca, sem dar notícia,
Some dos dos dedos, à revelia.
Tem dia, que a posia
Quer só o sol na tarde vazia
Para ganhar passos e ouvir os ventos
Que se derramam na pele fria.

Estrelas.

camilo disse...

Um domingo... um poema... um amigo... um Você.
meu abraço.

Claudio Eugenio Luz disse...

nessas esquinas queremos sempre estar, não?

hábraços