sexta-feira, 2 de junho de 2006

enquanto meus olhares
neblinaram
, eu não sabia comum agir
faltou-me chão
faltou-me ar
, asas.
eu gritava, eu gritei
chorar? choraminguei
, pedi meus olhares desanuviassem
que o pensar voltasse
voasse
sei lá
& uma brisa alumiou meus olhares.

8 comentários:

petrúcio petrônio disse...

pedro paulo pan como você aprendeu a avoar?
abobrinhado por
petrônio petrúcio

Nanna disse...

Coração levinho depois dessas
[pa]lágrimas...

Beijinhos pra vc!

Aline disse...

Arrasa!

Bitos.

Múcio Góes disse...

de chão faltar,
em falt´ar,
sol as brisas
nus levam avuá...

[]´s

l. rafael nolli disse...

Pedro Paulo, meu camarada, teu texto tem uma sonoridade tão boa - li-o em voz alta, uma, duas... vezes! Muito bom!

Sara disse...

é
as asas
os olhares
o pensar
é disso que se faz um grande sorriso
no meio do nada.
Gostei daqui, vou voltar.
Bjs!

Renata Rodrigues disse...

Como sempre, palavras de bom gosto!
Abraços, Rê Rodrigues

Mary disse...

Instantes de escuridão...

Lindo este!