quinta-feira, 29 de junho de 2006

até ir 
rimar eu fui.
voltei com uma mão
em a frente e a outra
atrás.

11 comentários:

Nanna disse...

Seu blog tá belo, belo, belo!! Adorei!

Monte de beijinhos...
:)

Leandro Jardim disse...

uma pena a precisão do tema!
mas escreva, escreva, quimere-se,
que a nós terá valido muito
a pena, o esforço da pena
a derramar...
dê ramos ao mar!


abs
do Jardim

Múcio Góes disse...

é só pedir: ri, mar!... que ele ri...

[]´s

dudv disse...

Poema inquietantante.
http://dudu.oliva.blog.uol.com.br

Clarice disse...

Esqueceu de olhar a rima que subiu ao peito e brilhou no olho.
Beijo meu

Senhora D. disse...

e o que fez a rima? te deixou nu ou pôs algemas? ;)

ObservadOOr disse...

Em rimas, mão com mão... Abraços

Valéria disse...

"poesia é risco" Augusto de Campos
e risco vai pra onde quer (ar)riscar deseja...
beijo

Cristiano Contreiras disse...

Acontecimentos do dia-dia!

Keila Sgobi disse...

e, no meio,
el poema!

Claudio Eugenio Luz disse...

Sutil..., como devem ser determinados momentos.

hábraços