quinta-feira, 6 de abril de 2006

a poesia bateu as
minhas portas
ardendo a porta
bateu com ela em meu
rosto
a poesia bateu as minhas
asas
e voou sem dó nem piedade.

12 comentários:

Clarice disse...

Poesia é voar fora da asa. (M.Barros)
Beijo Pan

Claudio Eugenio Luz disse...

Sims, para onde as pessoas dela precisam.

hábraços

claudio

SaYô disse...

Eh isso ai Clarice,rsrs.ja estava com essa frase de manoel na ponta do lápis.adoro encontrar,me esbarrar com manoel por onde passo..
bom fim de semana pan
beijos

Valéria disse...

menino! vc tem asas também né avoadô? com ela você também já avôa... então só nos resta olhar pro céu a apreciar...
um beijo

Edilson Pantoja disse...

Portas não foram feitas para poets, Pedro. Vôe!
Abraços de Belém!

Renata Rodrigues disse...

Qta sensibilidade no seu espaço!
Lindas palavras!
['s] Rê
http://coisas.doidas.zip.net

Camila Luz disse...

Suas palavras emitem muita sensibilidade, adoro visitar seu espaço! Tenha um ótimo domingo !!! bjs

111x6 disse...

Pedro , a originalidade da sua poesia é encantadora . Um forte abraço !

ObservadOOr disse...

Poesia é assim mesmo, voa por voar, bate por bater... e incrusta na alma. Abraços

isa xana disse...

a poesia dá umas sovas valentes;)

*

Bruna Maria disse...

O impacto da poesia faz os versos transitarem entre o peso de uma porta que bate e a leveza da asas que elevam. Adorei, Pedro. Um beijo!

ObservadOOr disse...

Feliz páscoa e muitas transformações positivas! Abraços