quinta-feira, 30 de abril de 2009

estertor, um poema (de soslaio)
não está sendo nada
fácil
rejuntar cacos de textos
para montar um po
um poema de esguelha
então, assim, finco umas
palavras em o meio de a tarde.
em o finalizar de a tarde.
ponho.
ponho pontos em o poema.
poema se põe sem rebrilhar
Pedro Pan, 2006

13 comentários:

Pedro Pan disse...

"Entender é trancar-se dentro da palavra."
Fernanda Young

Valéria disse...

"quando nada acontece há um grande milagre acontecendo que não estamos vendo" João Guimarães Rosa

há que se sentir este nada pra fazer dele alguma coisa ou coisa alguma...
beijo

Suhelen disse...

como sempre teus belos cacos de escritos, de poemas, de pontos que rebrilhamm, sim, e muito.

beijos meus a ti!

Márcia(clarinha) disse...

Eis que entre o caos do tempo ido fez-se poema...

lindo dia pedropoetinha
beijos

Su disse...

Que bonito, muito bom!
Esse malabarismos com palavras é excelente!

bjosss!!!

Pequena Poetiza disse...

gostei da criação
e gostei da frase da fernanda

beijos

Dora disse...

Pois o poema fez-se! E rebrilhou, com a história dele, que ele mesmo contou...
Beijos sempre admirados!
Dora

Sayô disse...

e foi tão fácil, rs...beijos

Sayô disse...

e foi tão fácil, rs...beijos

clarice ge disse...

de ponto em ponto o poema reticências soma
pode resultar interrogação.
carinho pan

Alex Pinheiro disse...

poema querendo vida,,, vida sem ar.
Em cacos de textos poema se faz vários seres em um só.

Abraços e somadas invenções!

Tatá disse...

O "remontar" é complicado. Às vezes, é um ato dificilimo, mas você soube fazê-lo com maestria e devo dizer-te que ficou um belíssimo poema.

Bj e carinho

Kanauã Kaluanã disse...

Seus cacos encandearam o sol [pó]ente deste meu fim de leitura vespertina.
Vir aqui está sendo um constante vislumbre.
Eu, de candeeiro na mão, e o poeta a ser cacos de vagalume!
Que sua poesia se junte em vitral, onde possamos ir, como a um lago, refletir palavras e da fonte beber.

Um abraço, moço [pó]eteiro.

Katyuscia.