domingo, 17 de dezembro de 2006

pras lonjuras...
este poema é para
além de outdoor.
é pras lonjuras dele.
por agora, enxerguemos
o silêncio.
olhar a andadura de os pássaros
em céu de admirar.
poesia minha é de água
doce.
tem histórias que esqueço de contar.
sem pensar outras vezes, inscrevi
um poema que cai de tarde.
hoje uma chuva me lavou.
amém! o vento me levava.
vem tô leve...
Pedro Pan, 2006

19 comentários:

eduardo disse...

Como sempre arrebentando...

ALF O Extasiado disse...

Pra tão longe que me perdi de ao vê-la.

Me perdi no horizonte...

Lindo. Adorei esse.

Um forte abraço meu amigo
;)

Clarice disse...

ver o silêncio
ultrapassa a escuta
e tinge o poema
em céu de cor

beijo meu

Octávio Roggiero Neto disse...

versos quebrados em poesia completa, meditações sobre a tarde.
esse é o Pedro em busca da vida que preenche as palavras de encanto!
ei, seu moço, hoje me sinto leve também, que talvez consiga voar, seguir pairando pelo rumo dos ventos.
Ah! vou compartilhar uma satisfação contigo: a Débora acho que voltou a poetar por nossas bandas virtuais, quero só ver se não é fogo de palha...
Té mais!

Octávio Roggiero Neto disse...

Pedro, o homem de mil facetas, dançando conforme os ventos...

pedro pan disse...

, agora todos meus blogues fazem parte de quimeras.
|saudações minhas|

Menina disse...

Se eu te disser a frase que me veio à mente... Bom, vou dizer. Você vai me achar imbecil, mas vou dizer... rs

"Me carrelga!"

Porque suas palavras parecem convite. (Ou sou em que me convido, cada vez que percebo o que o vento vem ao meu encontro, levando com ele o tempo e minhas saudades mescladas com as esperanças?).

Penso ser apenas uma frase estúpida, de uma menina boba.

:)

mary disse...

Adorei o "me carrelga" da menina aqui em cima!

Me carrelga pras lonjuras! ;p~



E seu blog ficou óteeemo! Gostei mesmo!

Bjuss

diovvani disse...

Sua leveza contamina, pousa aqui.
Abraço.

Clarice disse...

Tá perfeito o blog, qualidade de site. Gostei muito de poder navegar a partir de quimeras, num único lugar. Tudo muito clean.
Beijos poeta

Bruna Rasmussen disse...

e as palavras se encaixam e rodopiam, formam imagens na minha mente.

:)

Navegando com o Álvaro Míchkim disse...

Peter Pan, dezembro tem mta chuva e é época e comer manga verde com sal - mas não tão verde para não dar cólica intestinal; estimo que sua mãe já esteja recuperada; poraki tudo nos conformes, e todo dia com cara de sexta-feira...
Então Feliz Natal! Abraços. :)

Múcio Góes disse...

Pedrón, ia comentar algo, e, no último verso, fiquei mudo.

"vem tô leve". dizer oq? belo é pouco.

Cabe um turpilóquio! hehehe

[]´s

Márcia do Valle disse...

Passando para te desejar um feliz natal e um 2007 com muitas letras, palavras, textos e inspiração. Bjs

Jefferson de Souza disse...

Venho pouco a este espaço, mr Pan... Mas admiro o que vc escreve, rapaz! Pago 1 pau!

vem tô leve
me leva
pa bem longe

Excelente!

1[]!

Márcia(clarinha) disse...

Essa lonjura abriga alguém especial que ilumina um outdoor e anima os dias mesmo que sob chuva torrencial, mas passageira bem sabemos.
Poetinha, obrigada pelos votos de felizes festas em forma de cartão virtual, amei!
lindo dia
beijosssssssss

paulo vigu disse...

Vim brincar de lonjuras na casa de Pan. Vim por água doce de rio verde. Segui aves pernudas de beira-rio. Entre água e céu fui admirando a "andadura de os pássaros". Há um Guimarães em você. Paulo Vigu/abraço ao poeta e sua mãe/ Riodaquiaí

Juliana Pestana disse...

Resumidamente...
*
*
*
Delicioso seu poema!

"vem tô leve"

Leandro Jardim disse...

Eita que esse Pan é arretado!