sexta-feira, 25 de agosto de 2006

frase deslum-
brava-se
ia simbora. e
até que a voz grifava
em a madrugada [excelência]
rasgar lábio
com frases em um
canto de tarde
papel sangra sílabas
que pro-feriam
passou uma dor-
zinha em coração
foge asa voa
brinca de faz de
contas.

16 comentários:

Múcio Góes disse...

é que a vida, às vezes, se faz de tanta, ou, de tonta.

sempre P.

[]´s

Cristiano Contreiras disse...

Passa uma verdade nessas palavras...

Aline disse...

Verdade absoluta.

Bjão. :)

ALF O Extasiado disse...

E assim fulguras no extremo do céu, na verdade vital.

abraços

Nanna disse...

Contas que histórias vão passando...

Beijinhos...
:)

diovvani disse...

Profeta P.Pan palavreia riscando pavio que esparmatozeia o óvulo de + poesia na cabeça da gente. Abraço, estarei fora do ar... Até segunda. Vou para o Ninho das Pedras.

Valéria disse...

eu penso que não! penso que cantas!
"a tardinha cai...o barquinho vai..."
beijo

Claudio Eugenio Luz disse...

Meu caro, sempre labutando com as palavras que, quando surgem para traduzir o mundo, teimam em escapulir pelos cantos da página.

hábraços gerais

papel.blog.terra.com.br disse...

saudade daqui, saudade de vc,saudade das minas que não conheço.
abraço meu.

paulo vigu disse...

Rasgar lábios de tarde em canto é muito expressivo da coisa do falar. E muito musical também. Essas porções de Guimarães, de Manoel, de Cora, de Pan. Riodaqui/PauloVigu

Bruna Rasmussen disse...

eu gostei MUITO das tuas poesias, guri!

está ótima!
beijos

Saramar disse...

É a primeira vez que o visito e gostei demais da sua linguagem poética.

Voltarei mais vezes para ler as antiguidades do blog.
Parabéns!

beijos e bom domingo.

carlos alberto muzilli disse...

Pedro, Frases de leporinos lábios sangram a dor das profecias inconformadas. Abraços poéticos.

Luzzsh disse...

A maioria das frases deslumbradas vão embora, não? Vão pro longe, vagar, misturar-se, comungar com outras. E isso não é maravilhoso mesmo? Beijos, Pedro.

Leandro Jardim disse...

a singeleza genial,
a singenialeza

Octávio Roggiero Neto disse...

Ei, Pedro, trate de colocar o arquivo do por quimeras que pareça, porque o poeta é sua obra inteira e não apenas um punhado de versos dos ultimamentes!