quinta-feira, 1 de junho de 2006

ela havia asas
teimosas & alaranjadas
,que farfalhavam em o ar
pouco acima.
e a cada pássaro que
su'asas davam
era como se
questionasse:
você não sabe de ontem
vento...

10 comentários:

petrônio petrúcio disse...

oi pedro tudo bem?
seu azedo!!!!
abobrinhado por
petrúcio petrônio

Celso disse...

muito bom! tua linguagem é fascinante, cara. poesia forte, incisiva. gostei bastante. volarei aqui. permite linká-lo?

saudações

Aline disse...

Ah... Que coisa mais linda esse farfalhar.

Bjinhos pra vc!

;)

Nanna disse...

[asas-de-quimera]

Beijinhos!

Octávio Roggiero Neto disse...

Sugere espontaneidade, o que é muito bom, mas é um trabalho cuidadoso e delicado... Experimentação ousada a sua, Pedro!

Mary disse...

A cada pássaros
Os vôos
Das asas...

Lindo, Pedro!

Bjus. ;)

Aerodrama disse...

Pleno!!!! Não como o vento, mas como as asas que batem!

Muito bom.

Um abraço,
Aerodrama.

Leandro Jardim disse...

Isso é poesia!
E linda linda!
Como deve ser a tal das alaranjadas asas,
Pelo menos o é quando a leio...

abs

Claudio Eugenio Luz disse...

Através de cada frase, uma porta que se abre para este mundo. Construções, ricas, meu caro poeta das gerais.

hábraços

camille disse...

Rapaz talentoso, tenho gostado de te ler. Abraço.